BRAVA realiza cobertura de projeto de assistência jurídica no Pantanal

Por Geovanna Yokoyama e Beatriz Camargo


Entre os dias 25 a 28 de fevereiro, representantes da BRAVA, Empresa Júnior de jornalismo da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, acompanharam integrantes do projeto de extensão da Prática Jurídica, em uma viagem até o Pantanal sul-mato-grossense, especificamente na região entre Miranda e Corumbá, que abrange a comunidade tradicional do “Passo do Lontra”. Em parceria com o projeto de extensão, CAJEF (Centro Acadêmico Jorge Eustácio Frias) e a UFMS, a expedição objetivou prestar assistência jurídica gratuita para os ribeirinhos, bem como enriquecer a formação acadêmica dos alunos de direito, pedagogia, psicologia, educação física e de biologia.

Logo no primeiro dia, as atividades ficaram reservadas para que todos conhecessem a comunidade, sua demanda, carências, moradias e outras necessidades, e os acadêmicos passaram por cada uma das pequenas casas de palafitas, existentes no local, avisando-os do serviço que seria prestado posteriormente, na manhã de domingo (26). Os olhares curiosos dos ribeirinhos acompanhavam o trabalho, junto com o receio de seu território estar sendo “invadido” por desconhecidos. Ao longo dos dias, a confiança foi sendo conquistada e assim os problemas vividos puderam ser compartilhados.

Ao amanhecer, os acadêmicos e participantes já haviam montado toda a estrutura para receber a comunidade, e logo cedo, já se avistava um barco com dois homens se aproximando, sorrateiramente pelo rio Miranda, em busca de informações.

O pescador Rogério Erivalter, 52, chegou acompanhado de sua esposa e foi orientado em uma longa conversa com todos os envolvidos, principalmente com o professor Aurélio Briltes, organizador do projeto. “Para nós, tudo aqui é difícil”, afirma o pescador, em relação a transporte, iluminação e outros direitos básicos. Em detrimento desses problemas, grande parte da população ribeirinha, não exerce sua cidadania durante as eleições, por não conseguir se locomover até as urnas, ou por não receber dispensa no trabalho.  “Nós estamos esquecidos aqui. Quando vêm alguma ação social como vocês aqui, pra nós é muito importante”, finaliza.

Vivência e experiência

Os estudantes puderam vivenciar o exercício do direito, na prática, ultrapassando os limites dos livros e da sala de aula. “Poder compartilhar o que sabemos é muito gratificante” afirma Luana Delmond, 21, estudante de direito e diretora do CAJEF. Os atendimentos realizados abrangiam várias áreas, entre elas aposentadoria, conferência de documentos, encaminhamentos, ajuizamentos e recursos administrativos, além de tirar dúvidas e orientar os cidadãos sobre todos outros assuntos cotidianos.

Com este trabalho, as experiências profissionais de todos os acadêmicos tornaram-se mais humanizadas e próxima às pessoas, trocando dados e números por rostos e nomes.

A prestação dos serviços jurídicos foi feita em meio a rica fauna e flora do pantanal. Um cenário renovador e que encantou a todos. Os animais tranquilos em seu habitat natural, convivendo em perfeita harmonia com os “novos integrantes” do local. As árvores, grandes aliadas em busca de uma sombra em meio aos quase 40 graus que faziam durante o dia. Do mesmo modo em que uma foi cenário da ação social. As mesas, computadores, livros e todo o universo jurídico, embaixo da sombra, junto aos ribeirinhos.

As integrantes da EJ BRAVA estiveram presentes nesses momentos e registraram as atividades para a produção do vídeo que pode ser conferido aqui e da galeria de fotos abaixo.

Para mais informações sobre o projeto de extensão da Prática Jurídica acesse o site.

Bookmark the permalink.

Comments are closed